Buscar
  • Rede RM

Shutterstock resgata momentos icônicos do Emmy Awards

De discursos inesquecíveis a figurinos inimagináveis, a Shutterstock selecionou alguns momentos inspiradores das cerimônias do Emmy, de 1960 a 2020 A última edição do Emmy Awards foi transmitida ao vivo virtualmente e apresentada por Jimmy Kimmel, em um Staples Center quase vazio em LA. Não houve tapete vermelho ou público, mas isso não quer dizer que não foi memorável. Foram mais de cem indicados em todo o mundo, muitos usando estúdios customizados em casa. Alguns estavam vestidos com esmero, mas moletom também era bem-vindo.



Zendaya ganhou as manchetes com um vestido magnífico de Christopher John Rogers e um colar roxo deslumbrante, enquanto Gabrielle Union usava uma touca de banho enquanto era "bombardeada por vídeo" por seu marido Dwyane Wade. Ambos os looks eram icônicos. Schitt’s Creek ganhou muito, assim como Watchmen. Jimmy Kimmel começou um incêndio real durante a apresentação, e Jennifer Aniston salvou o dia com um extintor de incêndio.


Uma foto fornecida pela Academy of Television Arts & Sciences mostra Jennifer Aniston (à esquerda) e Jimmy Kimmel (à direita) apresentando o prêmio de melhor atriz principal em uma série de comédia durante a 72ª cerimônia anual do Primetime Emmy Awards. Imagem por EMMY AWARDS/​HANDOUT/​EPA-EFE/​Shutterstock .

O Emmy Awards 2020 virtual foi feito para uma noite sem precedentes, e para os livros de história. Em homenagem ao evento, a Shutterstock selecionou alguns momentos inspiradores, de vitórias históricas, discursos inesquecíveis e registros no tapete vermelho a ícones da moda. • Vitória de Harry Belafonte (1960)


Em 20 de junho de 1960, o icônico cantor, ator e ativista Harry Belafonte se tornou a primeira pessoa afro-americana a ganhar um Emmy por seu trabalho no especial de TV "Tonight with Belafonte". Não foi a primeira vez que ele fez história. Em 1956, seu álbum Calypso ganhou o título de primeiro LP a vender um milhão de cópias. Também não foi a última, pois em 1987 ele foi nomeado Embaixador da Boa Vontade do UNICEF por seu trabalho em direitos humanos. Em 1994, recebeu a Medalha Nacional de Artes.

Confidente e apoiador do Dr. Martin Luther King Jr., Belafonte também foi um importante nome no Movimento dos Direitos Civis. Quatro anos antes de ganhar o Emmy, ele apareceu ao lado de Coretta Scott King e Duke Ellington no evento de arrecadação de fundos "Salute to Montgomery". Um ano depois, ele participou da Peregrinação de Oração pela Liberdade. Em 1968, ele se tornou um testamenteiro do espólio do Dr. King.

Mais tarde, Belafonte refletiria sobre a importância da representação em Hollywood e sua relação com o movimento dos direitos civis mais amplo. "Se pudéssemos mudar a América, necessariamente obrigaria Hollywood a mudar sua percepção dos negros", afirmou. Como a luta pela igualdade persiste em um cenário nacional, o trabalho de sua vida continua tão importante como sempre.


Cicely Tyson posa com suas estatuetas do Emmy na apresentação anual do Emmy Awards em Los Angeles, Califórnia. Tyson venceu por seu papel em The Autobiography of Miss Jane Pittman. Imagem de AP/​Shutterstock .

Décadas antes de receber a Medalha Presidencial da Liberdade e o Oscar honorário da Academia, Cicely Tyson estrelou A Autobiografia de Miss Jane Pittman, contando a história de uma mulher que, após nascer na escravidão, se juntou ao Movimento dos Direitos Civis. Seu desempenho lhe rendeu não um, mas dois trofeus do Emmy. O drama ganhou o prêmio de Melhor Programa Especial do Ano, enquanto Tyson deslumbrou em um icônico vestido floral.


Nunca conheci nenhum dos meus avós", disse a atriz ao The Hollywood Reporter em 2019. "E, para mim, Jane era a avó que poderia ter sido." Este ano, aos 95 anos, Tyson foi a pessoa mais velha indicada ao Emmy por sua atuação em How to Get Away with Murder. Esta também foi sua décima sexta indicação ao Emmy até o momento.

Quando Penny Marshall anunciou que Alan Alda havia ganhado o Emmy por escrever M*A*S*H, o ator, feliz com a vitória, se levantou e deu uma cambalhota enquanto subia no palco para receber a estatueta. Ele já havia vencido a premiação duas vezes por atuar e dirigir a série. No entanto, o Emmy de melhor roteiro tinha um significado especial, já que ele sempre quis ser um escritor. "Fiquei muito, muito feliz", comentou na época.

Até hoje, Alan Alda foi a única pessoa a ganhar o Emmy, em diferentes categorias como atuação, roteiro e direção por trabalhos em uma única série. "Quando eu tinha oitenta anos, disse a mim mesmo: 'Será que ainda posso fazer uma cambalhota?'", disse à CBC Radio em 2018. "Então, eu fiz uma cambalhota, e meu neto Jake filmou e coloquei no Twitter , porque isso é uma das coisas mais patéticas que você pode ver. Na verdade, eu fiz todo o caminho. Mas não muito graciosamente." No Twitter, ele brincou que planejava tentar novamente aos 85 anos.

Em 1985, a atriz e modelo Cybill Shepherd desfilou no tapete vermelho do Emmy com um vestido preto sem alças, luvas pretas e tênis

laranja. "Olhei para os meus sapatos de cano alto laranja e minha assistente disse: Cybill, nem pense nisso", recordou. "Quando entrei, metade das mulheres ficaram com ciúmes de como eu me sentia confortável e a outra metade me amava por ser honesta com meu corpo."

A estrela não tinha tempo para saltos. Como ela disse à revista People: "Não vou estragar meus pés". Durante as sessões de fotos, ela se certificou de que seus sapatos estivessem visíveis sob o vestido. Como esperado, as vendas da Reebok dispararam após sua estreia.

Nenhuma edição do Emmy estaria completa sem a menção da icônica Diahann Carroll, que fez história na moda, tanto na tela como no papel de Dominique Deveraux em Dynasty quanto no tapete vermelho. O vestido de fenda, que ela usou em 1985, não foi exceção.

Ao longo de sua carreira, Carroll foi indicada a quatro prêmios Emmy, além de uma indicação ao Oscar e ao Tony. Ela foi, de fato, a primeira mulher afro-americana a ganhar um Tony de Melhor Atriz. Ela faleceu no ano passado aos 84 anos, deixando um legado poderoso para futuros atores de Hollywood.

No início deste ano, o guarda-roupa de Carroll voltou às manchetes quando 150 itens selecionados de sua propriedade foram colocados em leilão na Bonhams, incluindo alguns vestidos pretos deslumbrantes de fenda como o que ela usou na premiação.

6. Prêmio Ted Danson (1990) Ted Danson foi indicado oito vezes por seu trabalho em Cheers antes de finalmente levar para casa a estatueta pela categoria Ator Principal em Série de Comédia em 1990, levando o público a se levantar de seus assentos. "Acho que isso significa que você vai dizer ‘Você foi roubado’ para outro garoto", brincou. De acordo com uma história publicada no Los Angeles Times na época, Danson estava entre os vencedores mais felizes da prêmiação naquele ano. Ele disse aos repórteres que levaria o prêmio a todos os lugares. "É novo para o meu corpo. É uma sensação engraçada", afirmou.

Claro, esse sentimento se tornaria mais familiar com o tempo, já que Danson venceria novamente por sua atuação em Cheers em 1993. Como Cicely Tyson, ele teve um lugar entre os indicados deste ano, desta vez por sua atuação em The Good Place. Foi sua décima sétima indicação ao Emmy.

(materia enviada)


2 visualizações

©2020 por Rede RM. Orgulhosamente criado com Wix.com